Estudo no Livro de Jó – Parte 1

Imaginemos…

1. Imagine você com 7 filhos e 3 filhas, gente bonita, alegre, feliz… De repente, num dia sinistro, todos morrem ao mesmo tempo.

2. Imagine você bem colocado na vida, com bens, casa, carro, apartamento na praia… De repente, de uma hora para outra, no meio de uma crise mundial, você perde tudo, fica com as mãos abanando…

3. Imagine que você tivesse a seu serviço, ou ao serviço de sua empresa, muitos empregados. De repente, todos se afastam e você fica sem ninguém. Ninguém, mesmo.

4. Imagine que você é bastante saudável, boa saúde, pratica até algum esporte. E que num dia de tragédia você se levanta de manhã e percebe que está sofrendo de uma enfermidade muito grave: elefantíase, lepra, câncer de pele, ou outra tão ou mais terrível. Seu corpo se transforma numa chaga só, da cabeça até os pés. E você no desespero começa a raspar as feridas, que cheiram muito mal, com um caco de telha.

5. Imagine que você é uma pessoa muito conhecida, viajada, bem relacionada no meio da sociedade e dos negócios. Sem explicação, de repente, você perde todos os seus amigos e conhecidos.

6. Imagine que no meio dessa tragédia só restou seu cônjuge. Depois de toda essa angústia e provação, num acesso de mau humor seu cônjuge dissesse a você: “Ainda continua justo? Por que você não amaldiçoa DEUS e morre?” (Jó 2.9)

7. Você se lembra que sempre foi correto em seus negócios, nunca ficou devendo nada aos bancos e outras empresas, fiel com suas amizades, um caráter íntegro e ainda temente ao DEUS Todo Poderoso. E, ainda, em sua igreja você participava como obreiro, dirigindo até cultos de oração e de estudos bíblicos. Você pensa: “Como isso foi acontecer comigo?”

8. O que eu faria se isso tivesse acontecido comigo?

  • Mandava a vida às favas e cometeria suicídio?
  • Falaria mal de DEUS?
  • Xingaria, Blasfemaria?
  • Duvidaria da existência de DEUS?
  • Outra coisa?

Conclusão: Muitas vezes, DEUS permite que passemos por grandes provações. Mas, ao final, quando olhamos para trás, percebemos que aqueles dias sombrios foram tempo de grande aprendizado e de comunhão com o Senhor. Aprendemos de forma prática que as adversidades da vida podem ser um sinal do amor do Pai por seus filhos.

Lembrando: O sofrimento não é um tema popular em nossa civilização, mas é parte REAL da vida. Por todo o hospital pelo qual passamos nos diz que o sofrimento é real. As sirenes das ambulâncias que soam até de madrugada nos dizem que o sofrimento é real. As lágrimas que correm pelo nosso rosto na hora da dor e da morte nos dizem que o sofrimento é real. MAS, DEUS CUIDA DE NÓS…

Quando nos sentirmos fracos, DEUS virá no momento mais escuro da nossa vida para nos ensinar que não dependemos das circunstâncias para viver. ELE irá mostrar que se encontra no CONTROLE de todas as situações. O sofrimento, muitas vezes, é o anúncio de milagres que estão para chegar.

Portanto, quando estivermos atravessando provação ou tribulação vamos lembrar que DEUS pode usar essas experiências para nosso bem. Ao final da provação, poderemos dizer como Jó: “Eu sei que meu Redentor vive e, por fim, se levantará sobre a terra” (Jó 19.25).

Anúncios

A verdadeira espiritualidade

“Como você pode dizer a seu irmão: “Irmão, me deixe tirar esse cisco que está no seu olho.” se você mesmo não não vê o pedaço de madeira que está no seu próprio olho?” Lucas 6.42

Tenho recebido muitas mensagens que procuram abordar, de maneira sutil, como anda a espiritualidade na igreja brasileira. Há até congressos e seminários bem preparados e fundamentados em excelente marketing, por empresas especializadas, explorando a boa-fé de muitos incautos.

Entendo que uma reflexão a esse respeito se torna extremamente importante. Sim, porque lições sobre essa área de nossa vida têm sido esquecidas, colocando-se em seu lugar um discurso e um estilo que podem parecer atraentes, bonitos e espirituais mas que, na verdade, não têm nada a ver com a verdadeira espiritualidade.

O fato de sabermos o que é certo e o que é errado não nos impede de pecar. O rei Salomão, que se tornou o mais sábio entre todos os seres humanos, pecou mesmo com toda a sabedoria que recebera. O fato de conhecer a verdade não o impediu de fazer a coisa errada.

A Bíblia insiste no ensino de que é preciso cultivar nossa vida com DEUS para que não nos tornemos uma presa fácil para o pecado. Em outras palavras: não basta pregar a verdade; é preciso também viver na verdade. Isso só é possível se mantemos uma íntima comunhão com nosso DEUS.

A Psicologia ensina que há pessoas que têm fixação em fazer campanha contra determinado ponto exatamente porque tem problemas nessa área de sua vida. Antes de apresentarmos nossa pregação e nossos pontos de vista devemos estar livres desses pecados em nossas mentes e corações. Se isso não ocorrer, será hipocrisia que não agrada ao nosso DEUS, e levará as pessoas a se afastarem da verdade.

Está claro que todos os tipos de pecado devem ser combatidos. Também é óbvio que aqueles que combatem esses pecados devem estar libertos dos mesmos.

Não posso deixar de ressaltar que, na busca da verdadeira espiritualidade, o nosso modelo não devem ser pastores, líderes de igrejas e ícones no meio evangélico. Nosso ÚNICO modelo deve ser o Senhor Jesus. Aquele que não observa isso, acaba se decepcionando com a vida cristã quando se depara com o primeiro erro de um grande líder admirado.

Um discurso triunfalista tem influenciado a vida dos crentes. Com isso, muitos irmãos tem deixado de lado a dependência do Senhor e tem se apoiado em si próprios, passando a viver um “cristianismo humanista”. Esse tipo de evangelho tem levado muitos cristãos à decadência espiritual. O orgulho é a raiz de todos os demais pecados. Em algum ponto de nossa vida espiritual acabamos envolvidos com o pecado e permanecemos nele, até que seja descoberto. Quando a verdade aparece, a princípio negamos veementemente. Mas depois a tristeza aparece e a queda é iminente.

” Afaste-se do mal e faça o bem e você viverá em paz para sempre. Pois o Senhor ama a justiça e não abandona os seus servos fiéis.” Salmo 37.27-28

O amor é apenas o começo

“Assim como vocês se destacam em tudo: na fé, na Palavra, no conhecimento, na dedicação completa e no amor que vocês tem por nós, destaquem-se também no privilégio de contribuir.” 2 Coríntios 8.7

Os crentes da igreja de Corinto eram preocupados em crescer em tudo. É nessa igreja que vamos encontrar as discussões mais acaloradas sobre os Dons do Espírito Santo; É nessa igreja que encontramos uma disputa entre grupos: uns estavam ao lado de Pedro, outros ao lado de Paulo, ainda outro grupo ao lado de Apolo, e outros se diziam do lado de Cristo.

Para desmascarar os falsos crentes que existiam naquela igreja, que estavam causando divisão, e para desmascarar os seguidores desses falsos mestres, o apóstolo Paulo escreve esta segunda carta, ressaltando a importância da separação do mundo e a necessidade de crescimento em todos os sentidos.

Havia uma preocupação naquela igreja, como existe hoje em muitas igrejas que se chamam a si mesmas de igrejas de Jesus Cristo,de crescimento em vários níveis: crescer na fé, crescer na palavra, crescer no conhecimento, na dedicação completa e no amor.

Todos esses níveis de crescimento estão ligados entre si: a ligação entre eles é a palavra. Diziam que tinham fé, que tinham conhecimento, que tinham dedicação completa, que tinham amor aos irmãos. Diziam, diziam, diziam…

O apóstolo Paulo os exorta a crescerem em outra direção: no privilégio de contribuir. Enfiar a mão no bolso e ofertar, entregar aquilo que é mais caro a cada um de nós: dinheiro, contribuição, participação financeira, “money” “l ‘argent”, “la moneda”, “tin-tin”…

A contribuição financeira é considerada uma PROVA de nosso amor cristão. Ao contribuirmos, semeamos não somente dinheiro mas também fé, tempo, serviço. QUEM AMA, CONTRIBUI.
E quando contribuimos, isso aumenta a nossa dedicação a DEUS.

Ah, como é fácil falar de amor… mas como é dificil demonstrar esse amor… especialmente quando isso mexe com nossa renda, nosso rico dinheirinho. Convém lembrar que foi para esta mesma igreja que o apóstolo precisou esclarecer que a contribuição não deve ser “com tristeza ou por necessidade”. Ele finaliza dizendo que “DEUS ama aquele que dá com alegria”.

Qual o sentimento que temos ao contribuir?

Advertência de Jesus: Lembrem-se da mulher de Ló

“Lembrai-vos da mulher de Ló.” Lucas 17.32

Mulher sem nome, sem idade, sem qualquer outra informação. Sabemos que era mãe de duas filhas e que morou na cidade de Sodoma, junto ao Mar Morto, conforme relatado em Gênesis 19.26. Quais as lições que essa mulher tem a nos ensinar?

Quando a destruição das cidades de Sodoma e Gomorra foi anunciada, a ordem foi: “Não olhar para trás.” Ela olhou para trás e foi transformada em uma estátua de sal.”

Por que teria ela olhado para trás? Seria curiosidade típica das mulheres e também de muitos homens? Seria saudade da vida que agora tinha que abandonar? Teria desejado voltar para continuar sua vida com as amigas e as vizinhas? Por que dar as costas para seu marido e suas filhas?

Apresento aqui alguns pontos para analisarmos e vermos para o que o Senhor Jesus deseja chamar a nossa atenção:

Em primeiro lugar, ela teria parado e olhado para trás para depois retroceder por causa de seus bens materiais que havia deixado ali naquela cidade. Hoje também em nossa sociedade as pessoas valem pelos bens que possuem, pelo dinheiro que tem, pelos amigos influentes que fazem parte de sua vida. Bom lembrarmos aqui que o mesmo Senhor Jesus nos adverte que a vida de qualquer pessoa não consiste na quantidade dos seus bens marteriais.

Em segundo lugar aprendemos que a mulher de Ló saiu da cidade de Sodoma, mas a cidade de Sodoma não saiu de dentro dela. Ela estava hipnotizada pelas festas, amigos, rodas sociais, vida de badalação. Seu marido era na cidade um dos líderes da comunidade. A mulher de Ló seria o que chamamos hoje de uma “socialite”?

Aprendemos aqui que não devemos querer ganhar Sodoma, porque é Sodoma que vai nos ganhar. Não devemos nos assentar na roda do escarnecedores é a recomendação do Salmo 1. Amar o mundo é ter inimizade contra DEUS. Nunca deseje imitar os beberrões que se assentam em uma roda de bar para “jogar conversa fora”. Esse certamente não é o lugar para um Filho de DEUS.

Em terceiro lugar sabemos que a mulher de Ló saiu arrastada da cidade de Sodoma. Isso porque ela estava hesitante, vacilante. É preciso escapar do fogo de Sodoma e ter COMPROMISSO de nova vida com o Senhor. Hoje se prega um evangelho fácil, com solução rápida para nossos problemas, porque o céu está em liquidação.

Deseje a presença do Senhor Jesus em sua vida. Deseje o céu, não pelos bens materiais que você pode ter, mas sim porque o nosso Senhor Jesus Cristo lá se encontra à nossa espera. Vamos vencer, sim, a Sodoma dos nossos dias, mas vamos vencer “pelo Sangue do Cordeiro”, conforme nos ensina o livro de Apocalipse capítulo 12, verso 11.

“Aquele que põe a mão no arado e OLHA PARA TRÁS não é apto para o Reino de DEUS.” Lucas 9. 62

A igreja dos meus sonhos

Eu estabelecerei a Minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.” Jesus Cristo, conforme registrado em Mateus 16.18

Sonho com uma Igreja onde a Palavra de DEUS tenha primazia. O grito dos Reformadores de SOLA SCRIPTURA ainda está soando em meus ouvidos, juntamente com o som daqueles que foram martirizados porque defenderam a Verdade da Escritura. Sonho com uma Igreja em que a Palavra de DEUS seja o centro do Culto, onde tanto a mensagem quanto o louvor sejam encharcadas da Verdade bíblica, e não de coisas e histórias inventadas pelos seres humanos.

Sonho com uma Igreja sadia por causa do ensino das Escrituras Sagradas. Uma Igreja onde as coisas esquisitas e as coisas inventadas sejam tratadas assim mesmo. Coisas esquisitas e coisas inventadas. Uma Igreja onde não se ensina o que NÃO É bíblico justamente pelo fato de não ser bíblico. Aquilo que é relativo deve se curvar diante do Absoluto da Palavra de DEUS. O que eu sinto, ou o que eu penso, não deve estar acima do ensino da Escritura. SEJA DEUS VERDADEIRO E TODO HOMEM MENTIROSO.

Sonho com uma Igreja onde o Pastor não é um Guru. Onde o Pastor ou a Pastora é um irmão ou uma irmã revestidos pelo Espírito Santo de DEUS com Dons para operar o crescimento dessa Igreja. Que haja humildade para reconhecer que toda a capacidade vem dEle e não dos pastores e das pastoras. Que haja coerência entre o que se fala e o que se vive.

Sonho com uma Igreja que tenha problemas, sim, mas que aprenda com esses problemas. Que haja graça em lidar com aqueles que caem, pois a Graça do Senhor nos nivela sob o sangue de Cristo. Que aqueles que erraram sejam corrigidos com brandura para que o nome de Cristo seja exaltado quando o irmão ou a irmã forem reedificados.

Sonho com uma Igreja que faça da oração uma conversa com o Senhor. Nada de exigências, nada de ordens, nada de decretos. Que nossas angústias e nossas ansiedades sejam lançadas sobre Ele, sabendo que o Seu cuidado é real. Que sejam orações sinceras, sem máscaras e sem hipocrisia. Que nossos quartos sejam o lugar do encontro com o Senhor, que vê o que está oculto e recompensa.

Sonho com uma Igreja onde não sejam necessários apelos constantes à contribuição, mas onde a Graça do Senhor seja abundante nos corações de tal maneira que, o contribuir deixe de ser uma carga e seja um momento de festa, de alegria. Pois este é o momento que DEUS aceita e ama.

Sonho com uma Igreja em que o Culto seja vivo, mas racional. Uma Igreja em que o culto seja suave e ao mesmo tempo impactante. Um ambiente onde quem já é salvo sinta-se em família. E quem ainda não é salvo queira conhecer a DEUS simplesmente pela beleza do amor demonstrado por aqueles que no culto estão.

Sonho com uma Igreja onde o Louvor seja algo espontâneo, onde haja liberdade para a adoração e que haja Espirito e Verdade. Que haja adoração em Espírito porque DEUS é Espírito, mas que também seja adoração em Verdade. Em Verdade humana e em Verdade bíblica. Que não seja necessário termos “animadores de auditório”, nem instrumentos para fazer isso. Mas que a simples presença dAquele que é digno de ser adorado nos encha o coração e a boca e que Ele Se agrade do meu Louvor, como cheiro suave.

Sonho com uma Igreja que celebre a Ceia do Senhor como uma noiva na espera da chegada do noivo, com uma esposa espera pelo seu amado ao anoitecer. Que haja alegria no partir do pão e no beber do cálice, pois não temos como participar da mesa que celebra a morte sem lembrarmos que a morte já foi vencida. Celebramos a Ceia do Senhor como alguém que já conhece o fim da história: Ele venceu a morte como havia prometido e vai voltar para nos buscar, como prometeu. MARANATA, Vem Senhor Jesus.

Perder a alma

“Que aproveita ao ser humano ganhar o mundo inteiro se perder a sua alma?” – Marcos 8.36

Durante muito tempo li estas palavras do Senhor Jesus interpretando como um convite ao pecador para que se arrependa e assim não venha a perder a sua alma indo para o inferno. Talvez você também tenha interpretado este texto desta mesma maneira. Hoje proponho a você e a mim um novo olhar e uma nova descoberta para as palavras do Senhor Jesus.

Comecemos por entender o que significa a expressão “alma”. É a sede dos afetos, dos sentimentos, das emoções. Sua origem vem da língua latina: “anima”, que forma outras palavras como animado, com sentido de alegre, bem-disposto, vivo, vivaz.

Agora voltemos às palavras do Mestre. Muitos há que se envolveram com coisas tangíveis, materiais, imediatas. E por causa disso perderam a capacidade de se emocionar, de sentir afeto, de viver novas emoçoes e novos sentimentos.

Há pais e mães que na atividade do dia-a-dia pela busca da sobrevivência no emprego, na empresa, nas suas atividades profissionais, perderam a alegria de estar junto com seus filhos. Crianças e adolescentes entregues aos cuidados de babás e empregadas, ou que passam os dias em frente a computadores e video games. Esses pais já não têm mais prazer de sentarem para ouvir os sonhos das filhas e dos filhos; perdem a sua alma…

Maridos e esposas que mal se falam, mal se tocam. Sua conversa é de monosílabos, de expressões faciais que demonstram seu desprazer pela presença do outro. Não são mais amados e amantes. Vivem na mesma casa, talvez no mesmo quarto e até dormem na mesma cama, mas são estranhos um para o outro. Perderam a capacidade da sensibilidade, de sentir o outro ou a outra, de sorver o perfume dos corpos, de sentir o coração batendo ao lado. Perderam a sua alma…

Há crentes que já faz muito tempo perderam a alegria de participar da comunhão com os outros crentes. Seu interesse agora é a Prosperidade, o milagre imediato, a solução aqui e agora de suas pendências. Não se emocionam mais quando vidas são salvas, resgatadas dos vícios e transformadas em novas criaturas. O Louvor passa a ser algo penosso, arrastado. Não conseguem mais ver DEUS operando no meio do seu povo. Até já ganharam a Prosperidade que queriam, mas perderam a sua alma, sua capacidade de sentir alegria nas coisas que acontecem na vida dos irmãos.

A pergunta que não quer calar nas palavras de Jesus ainda ressoa em nossos ouvidos e penetra fundo nos nosso corações: Será que não temos escolhido Coisas para levar nossas almas ao bem-estar? Será que não temos buscado acumular coisas e assim deixamos nossos sentimentos, emoções e alegrias desaparecerem de nossas vidas? Não teria nossa vida se transformado em deserto, literalmente algo sem vida e sem prazer?

%d blogueiros gostam disto: