TRIUNFO NA CRUZ

triunfoTUDO O QUE JESUS CONQUISTOU NA CRUZ É DIREITO NOSSO

Paulo Henrique de Oliveira Costa

“Portanto, assim como vocês receberam Cristo Jesus, o Senhor, continuem a viver nele, enraizados e edificados nele, firmados na fé, como foram ensinados, transbordando de gratidão. Tenham cuidado para que ninguém os escravize a filosofias vãs e enganosas, que se fundamentam nas tradições humanas e nos princípios elementares deste mundo, e não em Cristo.

Pois em Cristo habita corporalmente toda a plenitude da divindade, e, por estarem nele, que é o Cabeça de todo poder e autoridade, vocês receberam a plenitude. Nele também vocês foram circuncidados, não por mãos humanas, mas com a circuncisão feita por Cristo, que é o despojar do corpo da carne.

Quando vocês estavam mortos em pecados, Deus os vivificou com Cristo.

Ele nos perdoou todas as transgressões, e cancelou a escrita de dívida, que nos era contrária. Ele a removeu, pregando-a na cruz, e, tendo despojado os poderes e as autoridades, fez deles um espetáculo público, triunfando sobre eles na cruz.” ( Colossenses 2.6-15)

No final do capítulo primeiro da carta aos Colossenses, o apóstolo Paulo desvenda o seguinte mistério oculto pela multiforme sabedoria de Deus: através do Espírito Santo, Cristo passa a viver em nós, tanto judeus (participantes da antiga aliança), como gentios (que não teriam este direito por descendência).

Nossa Missão: cabe à Igreja tornar este segredo de boas novas conhecido em todo o mundo.

Circuncisão: Cerimônia religiosa judaica em que é feita a retirada do prepúcio do órgão masculino, no oitavo dia de vida. Marca a entrada de todo o menino para o judaísmo. Ocasião em que é escolhido o nome da criança (Gênesis 17.10).

Batismo: Palavra proveniente do grego “baptizo” que significa mergulhar, imergir, ato de ablução ou lavagem para purificação. O batismo de todos os discípulos de Cristo, homens e mulheres, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, marca a sua entrada para o cristianismo (Mateus 28.19 e 1 Coríntios 12.13).

As conquistas do sacrifício perfeito de Cristo por nós
Os cravos que transpassaram as mãos e os pés do nosso Senhor Jesus serviram também para prender na cruz a Lei (que não tem mais domínio sobre os gentios), a maldição do pecado e as nossas enfermidades (Gálatas 3.1-14 e Isaías 53.1-5).

O triunfo de Jesus na cruz sobre poderes e autoridades
Qualquer um afastado do poder de Deus está à mercê do diabo e seus anjos. Embora o Senhor Jesus tenha determinado na cruz o fim destes seres sobrenaturais, arrebatando o seu poder, autoridade, precedência, jurisdição e regência sobre o mundo, eles continuam por um pouco de tempo a comandar os perdidos e a perseguir os filhos de Deus. Não devemos temê-los e nem subestimar o seu poder (Efésios 6.11-18).

• O que isto tem a ver comigo? Aprendi que estar em Cristo é andar e conversar com Ele, ser controlado por Ele, estar enraizado e edificado no corpo dEle (a Igreja), transbordando de gratidão e amor.

• Minha vida deve ser regida por princípios cristãos, em vez de uma longa lista de proibições e permissões. Filosofias enganosas e tradições humanas não devem ser misturadas ou tomar o lugar do evangelho puro e cristalino.

Minha fé deve demonstrar que sou receptivo ao sacrifício de Cristo por mim, que deixei de tentar salvar a mim mesmo (pelo uso da razão ou por meio das obras) e que renuncio confiar em qualquer outra coisa menor do que o poder infinito de Deus, que é empregado para a salvação de todos que nEle crêem.

• Através da minha identificação com Cristo, no batismo, simbolizo que dou as costas para a minha antiga vida, renunciando às paixões da carne e aos desejos físicos que me controlavam, ressuscitando com Ele para uma nova vida e sendo conduzido para dentro de uma nova aliança com Deus.

• Aprendi que estar em Cristo é andar e conversar com Ele, ser controlado por Ele, estar enraizado e edificado no corpo dEle (a Igreja), transbordando de gratidão e amor.

• Minha vida deve ser regida por princípios cristãos, em vez de uma longa lista de proibições e permissões. Filosofias enganosas e tradições humanas não devem ser misturadas ou tomar o lugar do evangelho puro e cristalino.

• Minha fé deve demonstrar que sou receptivo ao sacrifício de Cristo por mim, que deixei de tentar salvar a mim mesmo (pelo uso da razão ou por meio das obras) e que renuncio confiar em qualquer outra coisa menor do que o poder infinito de Deus, que é empregado para a salvação de todos que nEle crêem.

• Através da minha identificação com Cristo, no batismo, simbolizo que dou as costas para a minha antiga vida, renunciando às paixões da carne e aos desejos físicos que me controlavam, ressuscitando com Ele para uma nova vida e sendo conduzido para dentro de uma nova aliança com Deus.

Pr. Ezequias Costa
email: pr.ezequias@terra.com.br
site: http://pastorezequias.com
face: Ezequias Costa
Linkedin: Pastor Ezequias Costa

Anúncios
Os comentários estão desativados.
%d blogueiros gostam disto: