E O POVO ESTAVA OLHANDO…

E O POVO ESTAVA OLHANDO…

Autor: Ezequias Costa

“E uma grande multidão estava presente e a tudo observava. E também os líderes zombavam de Jesus, dizendo:  Aos outros salvou, salva-se a si mesmo, se é o Cristo, o escolhido de DEUS”. – Lucas 23.35

E uma das provas mais seguras da depravação do ser humano é o homem ou a mulher sentir prazer na violência, no sangue derramado e na morte…

Era o que acontecia nas arenas romanas e gregas na Antiguidade, onde os espectadores sentiam prazer em ver os lutadores lutarem até morrerem. Foi isso que também aconteceu com os espectadores que passavam e olhavam vendo o Senhor Jesus morrer de maneira horrível.  Isso também aconteceu quando cristãos eram jogados às feras no Circo Máximo, em Roma.

Vemos essa situação repetida em nossa Sociedade moderna, onde milhões de adultos e crianças sentem prazer e divertem-se no vídeo, no cinema, em revistas e em outros meios de entretenimento olhando a morte, a violência, o sangue derramado e o sofrimento humano, quando homens e mulheres matam-se uns aos outros.

Escrevendo aos crentes que viviam no Império Romano, e que assistiam a todos esses episódios, o apóstolo Paulo nos adverte para um tipo ímpio de atitude: aquela que aplaude o erro e o mal cometido por seu semelhante: “São insensatos, desleais, sem amor e sem respeito à família, sem qualquer misericórdia para com o próximo. Não somente os continuam fazendo, mas ainda aprovam e defendem aqueles que também assim procedem”. – (Romanos 1.31-32).

O Senhor Jesus morreu para mudar essa situação trazendo o amor e a compaixão. Ele deseja que vejamos essa atitude com outros olhos, ver os efeitos terríveis provocados pelo pecado, e que possamos ouvir os gemidos da humanidade sofredora.

Pesa sobre pais e mães a responsabilidade e o dever de se protegerem, e também às suas famílias, das investidas desses meios maléficos de entretenimento, quer seja no lar ou fora dele, que leva o ser humano à insensibilidade frente a dor e a tragédia humanas.

“Se alguém fizer tropeçar um destes pequeninos, melhor lhe seria amarrar uma pedra de moinho no pescoço e se afogar no mar profundo”. – Mateus 18. 6

Pr. Ezequias Costa

Email: pr.ezequias@terra.com.br

Site: http://pastorezequias.com

Anúncios
Post anterior
Os comentários estão desativados.
%d blogueiros gostam disto: